danielbiologo2

Just another WordPress.com site

Archive for dezembro 2013

Saudades…

leave a comment »

Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida.
Quando vejo retratos, quando sinto cheiros,
quando escuto uma voz, quando me lembro do passado,
eu sinto saudades…

Sinto saudades de amigos que nunca mais vi,
de pessoas com quem não mais falei ou cruzei…
IMG_4788
Sinto saudades da minha infância,
do meu primeiro amor, do meu segundo, do terceiro,
do penúltimo e daqueles que ainda vou ter, se Deus quiser…

Sinto saudades do presente,
que não aproveitei de todo,
lembrando do passado
e apostando no futuro…

Sinto saudades do futuro,
que se idealizado,
provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser…

Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei!
De quem disse que viria
e nem apareceu;
de quem apareceu correndo,
sem me conhecer direito,
de quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.

Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito!

Daqueles que não tiveram
como me dizer adeus;
de gente que passou na calçada contrária da minha vida
e que só enxerguei de vislumbre!

Sinto saudades de coisas que tive
e de outras que não tive
mas quis muito ter!

Sinto saudades de coisas
que nem sei se existiram.

Sinto saudades de coisas sérias,
de coisas hilariantes,
de casos, de experiências…

Sinto saudades do cachorrinho que eu tive um dia
e que me amava fielmente, como só os cães são capazes de fazer!

Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar!

Sinto saudades dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar,

Sinto saudades das coisas que vivi
e das que deixei passar,
sem curtir na totalidade.

Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que…
não sei onde…
para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi…

Vejo o mundo girando e penso que poderia estar sentindo saudades
Em japonês, em russo,
em italiano, em inglês…
mas que minha saudade,
por eu ter nascido no Brasil,
só fala português, embora, lá no fundo, possa ser poliglota.

Aliás, dizem que costuma-se usar sempre a língua pátria,
espontaneamente quando
estamos desesperados…
para contar dinheiro… fazer amor…
declarar sentimentos fortes…
seja lá em que lugar do mundo estejamos.

Eu acredito que um simples
“I miss you”
ou seja lá
como possamos traduzir saudade em outra língua,
nunca terá a mesma força e significado da nossa palavrinha.

Talvez não exprima corretamente
a imensa falta
que sentimos de coisas
ou pessoas queridas.

E é por isso que eu tenho mais saudades…
Porque encontrei uma palavra
para usar todas as vezes
em que sinto este aperto no peito,
meio nostálgico, meio gostoso,
mas que funciona melhor
do que um sinal vital
quando se quer falar de vida
e de sentimentos.

Ela é a prova inequívoca
de que somos sensíveis!
De que amamos muito
o que tivemos
e lamentamos as coisas boas
que perdemos ao longo da nossa existência…

Clarice Lispector

Anúncios

Written by danielbiologo2

dezembro 29, 2013 at 2:41 pm

Publicado em Uncategorized

Travessia de pedestres???

leave a comment »

pedestres travessia

Matéria feita hoje dia 04 de dezembro de 2013, sobre a inexistente passagem de pedestres e ciclistas na Av. Beira Mar Norte. Pedestres e ciclistas que vem do continente pela passarela da Ponte Pedro Ivo, e vice versa, são obrigados a se colocar em risco de morte, pela total falta de infraestrutura que garanta a Mobilidade Urbana das pessoas. Inclusive temos um passeio de pedestres que joga os mesmos dentro desta via onde motorizados transitam em estúpidas velocidades para área urbana.
Fiquei por um hora observado o local, impressionante como não morre ninguém aqui, na foto no canto superior direito, eu “gelei”, juro que fiquei com as pernas bambas, esta senhora não foi atropelada por um segundo, por um bólido de ferro a muito mais de 80Km/h. Assim muitas pessoas são obrigadas a cruzar esta via para acessar o centro da cidade, eu medi e a faixa de pedestres fica a 1,6Km deste ponto.
A euipe de TV da RIC, gravou e entrevistou pedestres e ciclistas, inclusive o repórter atravessou e sentiu na pele o risco que a priorização das elevadas velocidades permitidas e estimuladas ao transporte motorizado, confere as pessoas.
Fica a pergunta:
-Depois que alguém for atropelado e morto, alguém vai dizer que foi acidente???

Infraestrutura viária para a Mobilidade Urbana deve priorizar o transporte ativo, ou seja, a prioridade é o pedestre e o ciclista, inclusive estando assim de acordo com a Política Nacional de Mobilidade Urbana, mas não por aqui apenas os caminhos dos carros e motos em assassinas velocidades estão contempladas.
Não, não é uma questão de ser contra o poluente motorizado e sim de ser a favor das pessoas. Atualmente aproximadamente 60% do espaço urbano nas grandes cidades, é destinado exclusivamente aos carros, e uma cidade não foi feita para isso, cidades foram criadas como centros de convivência dos seres humanos, e com a chegada das velocidades, imprudência e irresponsabilidade quando ao comando(?) destes “bólidos de ferro”, hoje em dia as ruas se tornaram perigosas. NÃO, RUAS NÃO SÃO PERIGOSAS PARA AS PESSOAS, PERIGOSO É COMO SE PERMITE CONDUZIR MOTORIZADOS EM NOSSAS RUAS! Ruas são espaços públicos, ou seja, a RUA É DE TODOS.

Precisamos sim, de investimentos LÓGICOS E RACIONAIS pelo Poder Público, que visem o bem estar e qualidade com segurança para a população, seja qual for o modal de deslocamento escolhido e, o RESPEITO e “bom senso” de todos os integrantes do trânsito, ou seja a população da cidade!

ACORDA SOCIEDADE!!!

Written by danielbiologo2

dezembro 4, 2013 at 2:39 pm

Mosaico da Mobilidade Urbana.

leave a comment »

03 de dezembro de 2013

Neste primeiro de dezembro de 2013, pedalando por Floripa, continental e insular, observava mais uma vez porque nossa cidade é considerada uma das piores do planeta terra no quesito mobilidade urbana.O transporte coletivo já tem poucos horários durante os dias úteis, finais de semana e feriados são reduzidos ao extremo, inclusive com a eliminação de várias linhas. Assim grande parte da população fica sem opção transporte.
Aqueles que possuem um carro, acabam saindo com eles, mas como estamos no final de semana o fluxo é bem menor e não percebi grandes congestionamentos. Mas senti a falta de preparo de muitos motoristas que transitam em altas velocidades, mesmo ao me ultrapassar, desrespeitando os Art. 201 e 220 do CTB.
De Bicicleta passei pela Lagoa da Conceição, Itacorubi, centro, Beira Mar Norte, Estreito, Itaguaçu (ciclofaixa de domingo), José Mendes e outras áreas de Floripa. Me chamou a atenção que as poucas áreas verdes, praças e parques urbanos tinham bastantes pessoas, famílias utilizando o espaço para conviver, ou seja, uma cidade deve possuir muitos parques e áreas públicas (Floripa é carente em áreas deste tipo) e isto também é mobilidade urbana, pois evitamos grandes deslocamentos para que as pessoas tenham lazer ou áreas de convivência, sendo esta última princípio básico de uma cidade.

Aqui nas primeiras linhas afirmei  que o transporte público é literalmente inexistente aos finais de semana e, hoje era domingo, comprovando que assim estamos estimulando o uso do transporte individual motorizado. Temos ainda um profundo desrespeito com as regras de trânsito, desde o estacionamento irregular até as altas velocidades permitidas aos motorizados de transitar pelas ruas e vias da cidade, que afugentam e cria uma demanda reprimida de mais de 70%  (pesquisa realizada pela RBS e instituto MAPA) das pessoas que querem e gostariam de usar a Bicicleta em seus deslocamentos pela cidade.

A Mobilidade Urbana é a possibilidade do cidadão optar e escolher o modal para seu deslocamento, priorizando o transporte ativo, seja caminhando ou pedalando, o transporte coletivo, a integração entre estes e por último a utilização do motorizado particular.

O que pretendo dizer nesta postagem?
Pedalando por Floripa, percebendo a cidade, sua geografia e sua população, verificamos que a mobilidade é um “mosaico” formado pelos modais de transporte, infraestrutura viária e urbana, regras e educação, neste sentido afirmo com toda certeza que a Bicicleta é uma peça fundamental e o caminhar é imprescindível para realmente começar a conferir mobilidade para as pessoas, inclusive estando de acordo com o Plano Nacional de Mobilidade Urbana onde diz que a prioridade é o transporte ativo.
Ou seja, precisamos inverter a lógica atual que prioriza o transporte individual motorizado em detrimento do fluxo de veículos e pessoas na cidade. Precisamos devolver a cidade para as pessoas, “Cidades para as pessoas“.

No mosaico da mobilidade, a Bicicleta é uma pedra fundamental!
mosaicoleg

Publicado originalmente no blog Ciclos de Vida.