danielbiologo2

Just another WordPress.com site

Archive for the ‘Diálogos’ Category

SC 406…405…Contra a vida?

leave a comment »

Art 201
Dia 07 de maio de 2014, vindo ao trabalho…

Relatos e inversão de prioridades!


Acordei, tomei um café e fui ver o clima, nublado com até uma leve serração, onde moro, chove! Duvida se vou de Bicicleta ou de ônibus. Ao ler o jornal, ver as notícias, a possível paralização do transporte coletivo, que já é ineficiente pelos poucos horários, me deram a certeza, hoje é a única opção ir de Bicicleta.

Calibrei os pneus da minha bicicleta dobrável, pois a outra estava com o pneu furado e ainda não consertei.
Pneus são frequentemente furados pela grande quantidade de vidros, pregos, parafusos e outros rejeitos/lixo atirados nas ruas e vias das cidades.

Pedalava pela SC-406, uma via onde são permitidos elevados limites de velocidade e sem acostamento, além disso temos alguns comerciantes locais que colocam cones no meio da via, não sei bem qual o propósito, mas devido a estes e o desconhecimento de um motorista do CTB, hoje quase fui atropelado por um carro.
Vinha pedalando conforme o CTB (Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores.), quando um carro de luxo, daquele grandões, certamente protegido por inúmeros air-bags, passa raspando meu veículo, o que me fez gritar;
-OLHA A FINA, RESPEITE O CTB.
Logo a frente uma lombada e este carro reduz a velocidade, quase pára e eu que vinha pedalando a uns 30 Km/h ultrapasso e escuto algo do motorista que abre o vidro elétrico da janela do carona(ele estava sozinho), eu respondo sem entender o que ele havia dito;
-Respeite a bicicleta e ultrapasse afastado e devagar, só isso!

Ele me ultrapassa e estaciona no acostamento, sou obrigado a passar por ele mais uma vez, em seguida este motorista me alcança e iniciamos uma conversação com os veículos transitando em baixa velocidade, lado a lado, e o motorista me diz;
-Como queres que eu faça com aqueles cones no meio da pista?
E respondo;
-O senhor deve esperar um pouco e depois passar respeitando o CTB (
Art. 201 e 220),
-É só isso, simples e todos saem ganhando!

Para quem estava cheio de pressa, não pode reduzir e esperar segundos para me ultrapassar sem “problema”,  me ultrapassa em condições de risco, agora tinha tempo para parar, “conversar” comigo?
Percebi que o motorista desconhecia o Código de Trânsito Brasileiro, achando que eu estava errado por transitar na via, única opção de pedestres, ciclistas, transporte coletivo, motocicletas e carros. E assim muita gente dirige carros e motocicletas sem conhecer o CTB, como??

Quando cheguei na ciclovia da via expressa sul, encontrei tranquilidade em pedalar, aqui conseguia escutar o som da brisa, de algumas aves e o ar condicionado natural, pedalava devagar contemplando a paisagem. Aqui me dei conta mais uma vez de como a bicicleta humaniza o espaço público. Sempre que cruzo outro ciclista e ou pedestres, acontece um Bom dia! E quando um ciclista encontra outro parado,  sempre ocorre a pergunta, -Tudo bem? E ajudas na troca de pneu ou pequenos consertos, quase sempre,  acontecem.
Mas uma coisa que sempre me chama a atenção, quando os trabalhadores que cortam a grama nos canteiros estão próximos dos carros, que utilizam uma tela para evitar que pedrinhas e restos das plantas atinjam os veículos que passam. No caso dos ciclista e pedestres, NÃO!
Cortadores de grama lançam pedrinhas e restos de plantas nas pessoas que passam a poucos centímetros destas máquinas, e hoje senti na pele o “lançamento” pelos hélices, de fragmentos diversos em minhas pernas, e se uma pedrinha atinge o olho de alguém?

Na SC 405, as altas velocidades permitidas, muitas vezes até descumpridas, as conversões feitas por MALtoristas em qualquer trecho da via, cortando a frente dos demais, a falta de faixas de pedestres, falta de acostamento, total falta de infra estrutura para ciclistas e pedestres, me dão a certeza de que aqui não ocorrem acidentes. Aqui os sinistros de trânsito estão sendo “promovidos” pelo Poder Público e com participação e aval de uma boa parcela da sociedade.

O trajeto de 17 quilômetros, feito em menos de 50 minutos, é relativamente tranquilo, com a postura adequada, respeitando o CTB é sim seguro ir de bicicleta ao trabalho. Confesso que não gosto de publicar relatos que parecem dizer o contrário, mas eu acredito que informando, qualquer pessoa que leia, vai entender e se não respeitar….bem aí que defendo e entra a punição para sentir no bolso (multas de valor).

A Rua É de Todos,
todos tem direitos e deveres,
no trânsito temos regras (CTB)
que visam ordenar o fluxo e conferir segurança a todos.

Lembre-se, em SC 94% dos acidentes, na verdade sinistros de trânsito, são decorrentes da imprudência e irresponsabilidade, quando ao comando (?) de um motorizado!

Anúncios

Written by danielbiologo2

fevereiro 3, 2015 at 11:00 am

O Filho da guerra.

with 2 comments

filhodaquerraJones- Sim eu fui para a guerra, eu vivi problemas e tive crises, sobrevivia em um ambiente hostil…

Sarah- Não importa, aqui era para ser tua casa, e você trouxe a guerra junto.

Jones- Pode ser, mas não justifica você querer se vingar usando meu filho.
 Sarah- Vou fazer o que eu quiser, e vais pagar caro por ter destruído a casa.

Jones- Não destruí nada, tudo continua igual…

Sarah- Não adianta já tomamos a decisão, e não preciso de você, meus pais irão ajudar a você nunca mais se aproximar do Stevie, você já era…

Jones- Um dia você vai se arrepender, teu ódio e dinheiro não sustentarão isso por muito tempo.

Sarah- Isso é meu problema e se você chegar perto ou tentar contato com ele, coloco toda a máfia no teu encalço….

Jones- Sei, imagino o que são capazes, mas…..

Sarah- Deixa de mas, acabou, você já era, volta para tua guerra e se possível morre lá mesmo….

Jones- Você está doente!

Written by danielbiologo2

novembro 18, 2014 at 12:00 am

Publicado em Diálogos, Textos recebidos